Estou leve, como se meu coração fosse feito de milhões de bolinhas de isopor das caixas de eletrodomésticos... E o meu pensamento corre fluido como o ar das bolhas de sabão feitas pelas crianças em seus devaneios infantis... Meu peito sorri com o estalar de dedos ao ouvir uma canção de infância. Ou o bater de palmas sincronicamente colocadas pelos que exultam uma ópera. Não temo o amanhã, não hoje! Hoje quero apenas me vestir de ingenuidade e sorrir ao deleite do vento nos meus cabelos... E perceber a felicidade nos mais extensos detalhes do dia. Quero abraçar árvores sem ligar para o deboche alheio. Quero ver desenhos nas nuvens e fechar os olhos ao fazer uma prece pelos que amo. Quero ser sempre o que tanto me ensinou minha mãe: Um coração sempre pronto a amar e amar!!! 

Deixe um comentário

Azu-leie também